Buscar este blog

lunes, 21 de mayo de 2012

Notícia: No Paraguay, produtores assumem a responsabilidade da conservação de caminhos rurais - EXCLUSIVO

No Paraguay, é escasso o incentivo por parte de órgãos públicos para a adoção de práticas conservacionistas e falta de manutenção dos caminhos é uma reclamação constante. Mesmo que as autoridades tivessem boa vontade, faltam equipamentos e as condições ideais de clima para realizar um bom trabalho são por tempo limitado.

Mas quem se vê na necessidade de usar esses caminhos sabe o quanto faz falta uma estrada bem conservada! Mais ainda em época de safra, onde o escoamento da produção precisa ser eficiente e quando os caminhões não podem estar parados na oficina.



Com tudo isso, os produtores rurais de várias localidades estão tomando a iniciativa e fazendo por conta própria o serviço de manutenção das vías de forma constante e completa, alargando os caminhos, fazendo os chamados "bigodes" para acumular a agua da chuva, curvas de nível, pegadores e escoadores d`agua, fazendo com que a agua da chuva não escorra pelas estradas e sim fique acumulada nestes reservatórios, permitindo a infiltração no solo.
Essa água infiltrada nos "pegadores" é uma fonte importante para aumentar o "estoque" de água na parcela, se fizer-mos uma conta rápida, em uma estrada com 5 metros de largura, a cada 500 metros e com uma chuva de 30mm, considerando as perdas, o total acumulado sería de aproximadamente 60.000 litros de agua. Além dos benefícios da própria conservação dos caminhos, de evitar a erosão e o carregamento de sedimentos aos rios, etc.

 Existem muitos exemplos de organização dos produtores e de empenho destes na manutenção das vías, mas cito dois apenas: O primeiro é o da Linha 14 Mil, Nueva Esperanza, que a muito tempo vem sendo conservado o caminho em perfeitas condições, faça chuva ou faça sol. Estrada levantada, pegadores d`agua, curvas de nível, inclinação das curvas, limpeza e até pedriscos em pontos mais críticos, e tudo isso vem sendo feito pelos próprios produtores que pagam uma taxa anual para uma equipe - dos próprios produtores - que se responsabiliza pelo trabalho.

O segundo exemplo é o da Fazenda Ibel Paraguaya, que faz por conta própria, a muitos anos, a manutenção completa e impecável dos caminhos dentro da fazenda - privados - e permitem que terceiros usem esses caminhos para encurtar a viagem entre o Km 24 e Katuete, por exemplo.

Por: Agro Paraguay.




No hay comentarios.:

Publicar un comentario